Mabel Velloso lança livro sobre Ogum com a presença do Ministro da Cultura

terça-feira, 7 de abril de 2015

Com presença do ministro da Cultura, Juca Ferreira, a escritora e poeta Mabel Velloso lança no próximo dia 13 de abril, às 17 horas, no Museu Nacional da Cultura Afro Brasileira/Muncab, no Centro Histórico de Salvador, o livro “Histórias de Ogum”, escrito a partir do gradil confeccionado em aço pelo artista plástico J. Cunha para a fachada do Muncab. O livro será distribuído gratuitamente aos visitantes do museu e tem o objetivo de decifrar os vários símbolos e arquétipos utilizados por Cunha na composição do gradil, que remete aos poderes e trajetória mística de Ogum, orixá ligado ao ferro e à tecnologia.

“Ogum é o orixá que trabalha com o ferro, fazendo armas para caçar e guerrear. No calor de suas batalhas faz o ferro amolecer, se transformar, se moldar, mostrando belezas e também contanto histórias”, escreve Mabel Velloso na introdução do livro, que é ilustrado pelas próprias criações de J. Cunha para o gradil.

Para J. Cunha, o gradil conta muito mais histórias do que o seu título sugere: “Refere-se ao orixá Ogum, mas busca traduzir a história do negro no Brasil, com seus símbolos e referências culturais. Desde a escravatura aos dias atuais”, define.

Segundo informa José Carlos Capinan, coordenador do Muncab, a publicação tem um objetivo didático e será utilizada para informar aos visitantes do museu sobre a importância da contribuição dos afrodescententes para a diversidade cultural brasileira. “O livro refaz e avança nos fatos acontecidos e por acontecer, uma vez que a partir da memória se abre o espaço para a imaginação e para a consciência futura da coletividade que deseja superar a ignorância e o preconceito, pela produção e pela difusão do conhecimento”, escreve Capinan na apresentação da obra.

Projeto de afirmação cultural
O processo de construção do Museu Nacional de Cultura Afro Brasileira teve início em 2007 com as obras de restauração do prédio do antigo Tesouro, localizado no Centro Histórico, nas imediações da Igreja D’Ajuda. Em 2009, ainda em obras, o Muncab realizou a sua primeira exposição: “O Benin Está Vivo e Ainda Lá” . Sucesso de público – foi vista por cerca de 10 mil pessoas – a mostra ajudou a definir o papel do Muncab como referência cultural no cenário afro-brasileiro . Uma nova exposição foi realizada em 2011, na conclusão de mais uma etapa de obras do Muncab. O museu vive agora o seu momento final de construção.
A ideia do projeto do Muncab, como explica o seu coordenador, José Carlos Capinan, é fazer do museu um verdadeiro centro de referência da herança cultural africana. Enquanto as exposições temporárias enfocarão o trabalho de artistas ligados ao universo da afro-brasilidade, o acervo da casa será dividido em módulos, privilegiando desde a estética negra à religiosidade afro-brasileira, passando pelas contribuições africanas à língua brasileira e personalidades negras.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Salvador Acontece - Copyright©2007 Salvador Acontece. Todos os direitos reservados. | by TNB-Adaptação:José Mendes ©